Taxa de isolamento estadual cai ainda mais após último lugar em ranking nacional

Após figurar com a menor taxa de isolamento social do Brasil no domingo (14), quando começou a vigorar o novo toque de recolher decretado pelo governador Reinaldo Azambuja (PSDB), das 20h às 5h, Mato Grosso do Sul viu esse índice cair ainda mais no primeiro dia útil da semana.

De acordo com o ranking que mede o Índice de Isolamento Social desenvolvido pela Inloco para auxiliar no combate à pandemia em todo o país, o percentual sul-mato-grossense caiu de 42,38% no domingo para 30,92% na segunda-feira (15).

Desta vez, só não foi inferior ao de Santa Catarina, com 30.39%. Mesmo assim, nenhum estado brasileiro atingiu os níveis ideais e o melhor ranqueado, Ceará, bateu 42,76%.

Ontem, ao mencionar os dados da Inloco que apontam o percentual da população que está respeitando a recomendação de isolamento, mantendo-se no perímetro de suas residências, o governo sul-mato-grossense divulgou um ranking municipal relativo ao domingo.

Nessa publicação, Rio Verde de Mato Grosso figurou com o pior índice de isolamento, de 29,0%, seguido por Jardim (30,3%), Ladário (33,3%), Mundo Novo (33,3%), Camapuã (35,9%), e Anastácio (36,2%).

Em contraponto, as melhores taxas foram de Jaraguari (57,9%), Nioaque (57,1%) e Água Clara (55,2%).

Campo Grande teve 42,3% e Dourados 41,9%.

Ao detalhar que o Índice de Isolamento Social da Inloco “usa dados anonimizados de geolocalizadores de celular para identificar a taxa média de pessoas que estão respeitando o recolhimento social”, a governo estadual pondera que “os dados não representam a população em sua totalidade, mas podem auxiliar o poder público indicando as regiões onde há indício de maior circulação de pessoas”.

“A coleta de dados de geolocalização não interfere na privacidade dos usuários, pois captura apenas a movimentação do dispositivo”, esclarece.

Teste 15